Thursday, May 08, 2008

Prioridades de meninice

É uma criança bonita, sorridente. Aproxima-se da cabine, põe-se em “bicos dos pés”, estica-se toda e consegue que a mãozita tímida apareça ao balcão e se torne visível para quem está do outro lado. Deixa cair as três moedas que tem entaladas entre os dedos de modo a rolarem e a fazerem barulho e pede, na voz melodiosa de quem ainda é acompanhada por fadas:
“ – Um bilhete para o carrossel, por favor”.
O barulho da feira obriga-a a repetir a pergunta.
“- Um bilhete, por favor”.
Sente o papel rugoso contra a pele e afasta-se, sem mais palavras. O carrossel é dos antigos, com cavalos de madeira pintada suspensos num bonito varão, de duas cores entrelaçadas. O toldo é vermelho e branco, como não podia deixar de ser. A criança fica parada, durante várias voltas, a apreciar uma magia que nem toda a gente vê. O colorido veloz brilha nos olhos dela e o bilhete é apertado com as duas mãos, enquanto o boneco de trapos espera, inexpressivo, debaixo do braço esquerdo.
A hora de jantar aproxima-se e, apesar de ainda haver a claridade do lusco-fusco, o movimento esmorece. O carrossel pára e prepara-se para um intervalo. A menina, que até aí não tinha saído do seu lugar, aproxima-se do maquinista e diz:
“ – Eu ainda não gastei o meu bilhete”.
O senhor, já velhote, derrete-se.
“ – Sobe que eu ligo-o. O motor ainda está quente, não custa nada”.
A menina aproxima-se do cavalo mais pequeno – um pónei, ainda – e prende o boneco a uma das pegas de metal, onde é suposto as crianças medrosas segurarem-se.
“- Então, tu não sobes? Precisas de ajuda?”
“- Ele é que quer andar. Eu só quero ver”.
.

13 comments:

Arte & Criação said...

Olá!

Chamo-me Daniela e gostava de apresentar o meu blog com peças feitas por mim.

www.art-and-creation.blogspot.com

Muito obrigada! =)

Lenin aka JR said...

Consegui ver a menina a por as moedas em cima do balcão... o velhote a ligar a máquina e o carrossel a girar com apenas um boneco de trapos, inexpressivo, a andar.

Inspirador e emocionante.
Já te tinha dito que és a minha escritora favorita, não tinha?

Beijos
João

João Chaleira said...

Incrível.

Deixei-me levar por lembranças antigas, com saudades de um passado que não volta mais.

Incrível.

E ainda tens coragem de afirmar que escritor sou eu, até sinto vergonha!
***

Luisa Oliveira said...

Daniela- Fui espreitar e tens umas coisas bem originais. No entanto, parece-me que há lugares mais apropriados e onde a publicidade teria mais efeito *

João Ramalho- Já, já tinhas. E és um tonto. Tenho ainda muito a aprender com pessoas como tu e como o outro João, do comentário de baixo. São só experiências de escrita, só isso. Mas muito obrigada pelo insentivo.

João Chaleira- No dia em que eu escrever qualquer coisa que se aproxime (que se aproxime, apenas!) de um daqueles teus poemas, vou ser uma pessoa feliz *

Rosa dos Ventos said...

Eu também fiquei derretida! ;-))

Bisous

José Rui Ferreira said...

O poder das tuas palavras fez com que eu por instantes entrasse no papel da menina a que te referes no texto! Mais expressivo não podia ser! Que texto tão belo Ana!

Raquel Costa said...

há bilhetes que queremos que nunca se gastem, queremos prendê-los, para não voarem...e há momentos mágicos que só nós sentimos...viagens imóveis que, sem destino chegam onde sempre quisemos chegar.
E às vezes queremos ser espectadores...ser protagonista a tempo inteiro é desgastante.

Que menina adorável !

beijinho meu anjo

Nair (O anónimo) said...

Sim, é verdade! Depois de o veres diz alguma coisa..

roger holanda said...

Oi, então ...

Esses dias me deu vontade de procurar blogs de pessoas desconhecidas, saber o que elas escrevem, pensam e comentar também. Fiz até um post sobre isso mas aqui,no seu blog, encontrei posts muito bons. Adorei mesmo e vou por o seu link no meu blog em "Recomendo".

Eu não sou escritor muito menos jornalista. Gosto só de ter um canto pra dizer o que quero e de espiar os blogs alheios. Gde Abraço!

Luisa Oliveira said...

Rosa - Fico feliz por isso :)

Zé - Um abraço bem forte e um obrigado ainda maior pelo incentivo.

Raquel - "ser protagonista a tempo inteiro é desgastante": onde é que eu arranjaria alguém que me compreendesse tão plenamente?

Nair - Deixa só passar os exames, sim? xD

Roger - Obrigada pela visita e pelo link. Também eu "gosto só de ter um canto pra dizer o que quero". Outro abraço!

Moonlight Spell said...

Tens a doçura que eu perdi com a passagem dos anos.
Gosto muito de te ler: sempre doce, sempre menina, e no entanto, com uma sensatez rara a qualquer idade.

Beijinho,
espero que te encontres bem

Luisa Oliveira said...

Luisa - És encantadora. Encontro-me bem, sim. E tu? Tenho saudades e medo da resposta.

amador said...

Essa foto fiz aqui em Brasília, e ela ilustra muito bem seu texto. Parabéns!